domingo, 10 de dezembro de 2017

RESSURREIÇÃO

RESSURREIÇÃO – O homem é um ser tripartido – tendo um espírito, uma alma e um corpo. A morte física tem a ver com o espírito e a alma se separando do corpo (Tiago 2:26). A ressurreição, por outro lado, envolve a reunião da alma e do espírito com o corpo. A Escritura diz: "todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em Cristo" (1 Coríntios 15:22). O "todos" nesta passagem refere-se a todos da raça humana – independentemente de serem salvos ou perdidos. Embora todos os mortos sejam ressuscitados, eles não serão todos ao mesmo tempo. Na verdade, há duas ressurreições: uma que envolve "os justos" e outra envolvendo "os injustos" (João 5:26-30; Atos 24:15; Apocalipse 20:5, 12-13). A Escritura indica que essas duas ressurreições ocorrerão com cerca de mil anos de diferença. Isso é algo que os santos do Antigo Testamento não conheciam; eles só conheciam a ressurreição de uma maneira geral (João 11:24). O evangelho trouxe luz sobre esse assunto e agora sabemos que há duas ressurreições (2 Tim. 1:10).
A primeira ressurreição, que tem a ver com os justos, é mencionada como a ressurreição "de entre os mortos" na tradução de J. N. Darby. Assim, ela é seletiva; Os justos que morreram serão selecionados de entre os mortos injustos e serão ressuscitados. Essa ressurreição foi ensinada pela primeira vez pelo Senhor Jesus Cristo (Mateus 17:9) e depois pelos apóstolos (Romanos 6:4; 1 Coríntios 15:20; Ef. 1:20; Filipenses 3:11, Col 1:18, etc.). A primeira ressurreição tem três fases:

o    "Cristo, as primícias" (1 Cor. 15:23a). Isso aconteceu quando o Senhor ressuscitou de entre os mortos (Mateus 28:1-6). O caráter de Sua ressurreição é uma amostra daquilo que acontecerá também com os justos. Por isso, Ele é "as primícias" dessa ressurreição.
o    "Os que são de Cristo, na Sua vinda" (1 Cor. 15: 23b). Isso se refere aos santos do Antigo e do Novo Testamentos sendo ressuscitados no Arrebatamento (1 Tessalonicenses 4:15-18; Heb. 11:40).
o    Os judeus e gentios fiéis que morrerem durante a 70ª semana de Daniel serão ressuscitados no final da Grande Tribulação, completando assim a primeira ressurreição (Apocalipse 14:13).

Os cristãos geralmente falam da ressurreição e da imortalidade quando os santos receberem corpos "novos", mas isso não é biblicamente correto. As Escrituras não dizem que os santos receberão corpos "novos", mas sim que seus corpos serão "transformados" (Jó 14:14; 1 Coríntios 15:51-52, Filipenses 3:21). Os próprios corpos nos quais os santos viveram serão ressuscitados, mas em uma condição completamente diferente – glorificados (Lucas 14:14; João 5:28-29; 1 Cor. 15:51-55; 1 Tessalonicenses 4:15-16, etc.). 1 Coríntios 15:42-44 afirma isso claramente, ao dizer que o mesmo corpo que é "semeado" na terra, no enterro, ressuscitará novamente. Observe o uso da palavra "o corpo" na passagem, referindo-se à semeadura e à ressurreição. Se os santos recebessem "novos" corpos quando o Senhor viesse, então não haveria necessidade de o Senhor ressuscitar os corpos dos santos nos quais eles já viveram. Se tomarmos essa ideia equivocada e avançarmos para a conclusão lógica, ela realmente negará a ressurreição. Para evitar uma ideia como essa, a Escritura é cuidadosa em nunca dizer que receberemos corpos "novos".
A Escritura registra dez casos de pessoas ressuscitadas dentre os mortos, mas estas não fazem parte da primeira ressurreição (1 Reis 17:21-22; 2 Reis 4:32-37; 13:20-21; Mateus 9:24-25; 27:52-53; Lucas 7:14-15; João 11:43-44; Atos 9:40-41; 14:19-20; 20:9-11). Todos esses morreram novamente. A primeira ressurreição é uma ressurreição para um estado de glorificação; aqueles assim ressuscitados nunca morrerão de novo.
A segunda ressurreição – dos injustos – ocorrerá no final do Milênio (Apocalipse 20:5, 11-15). Os mortos ímpios serão ressuscitados naquele momento e julgados diante do Grande Trono Branco e depois lhes será atribuída uma eternidade perdida no lago de fogo.

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

A Escritura indica pelo menos doze razões pelas quais Deus ressuscitou o Senhor Jesus de entre os mortos:
o    Para cumprir as Escrituras (1 Cor. 15:3-4).
o    Para provar que o Senhor Jesus é o Filho de Deus (Romanos 1:4).
o    Para colocar um selo de aprovação na obra consumada do Senhor na cruz (1 Ped 1:21).
o    Para que o Senhor fosse estabelecido como um objeto da fé para a salvação (Rom 10:9).
o    Para a nossa justificação (Romanos 4:25).
o    Para que o Senhor fosse a Cabeça da raça da nova criação (Col. 1:18).
o    Para que o Senhor pudesse realizar Sua intercessão como Sumo Sacerdote (Rom 8:34, Heb. 7:25).
o    Para que pudéssemos produzir fruto para Deus em nossas vidas (Romanos 7:4).
o    Para que o Senhor fosse o Primogênito dos que dormem (1 Coríntios 15:20).
o    Para fortalecer a fé de Seus discípulos para testemunhar por Ele (Atos 2:32-36).
o    Para demonstrar o poder de Deus para estabelecer o reino de acordo com as promessas do Antigo Testamento (Efésios 1:19-20).
o    Para dar certeza a todos os homens a respeito do julgamento vindouro (Atos 17:31).

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

A ressurreição também é usada em um sentido nacional. Israel terá uma ressurreição nacional dentre os mortos (Isaías 26:19; Ezequiel 37:1-14; Dan 12:2; Ose. 6:2; Romanos 11:15). A nação de Israel se tornou inexistente por cerca de 2.000 anos, mas quando o Senhor vier (Sua Aparição) e restaurará a nação e haverá uma reaparição pública da nação. Na verdade, ela se tornará a principal nação da Terra durante o período do Milênio.

O retorno de cerca de cinco milhões de judeus para sua terra natal desde 1.948 não é essa ressurreição nacional. Mas sim "a figueira" produzindo "folhas", mas sem nenhum fruto para Deus (Mat 24:32). Os judeus na sua terra hoje não receberam Jesus Cristo como seu Messias, e, portanto, há apenas uma profissão exterior de vida espiritual entre eles, da qual falam as folhas da figueira. Não haverá fruto para Deus em Israel até que eles recebam Cristo como seu Messias (Gên 49:22, Ose. 14:8). Quando o fizerem, Ele os restaurará, e então haverá essa ressurreição nacional da qual a Escritura fala.