quarta-feira, 16 de agosto de 2017

MILÊNIO, O

MILÊNIO, O – Esse é um termo que se encontra na versão da Vulgata Latina em Apocalipse 20:4, mas não aparece em outras versões. Refere-se ao reino de Cristo de 1.000 anos, que começará na Sua Aparição. Os profetas de Israel falam desse reino que o Messias estabeleceria (2 Sam. 7:12-16; Salmo 72, Dan, 2:44, etc.). Eles afirmam que ele duraria "para sempre", o que no Antigo Testamento significa "enquanto durar o tempo", ou "até o fim do tempo". Apocalipse 20 afirma que o reino durará 1.000 anos – vindo daí a palavra "Milênio" (Apocalipse 20:4, 6).
Os profetas de Israel descrevem este reino vindouro como tendo condições utópicas incríveis. Algumas das características excepcionais são:
o    O Messias de Israel (o Senhor Jesus Cristo) reinará supremo sobre todo o mundo, não apenas sobre Israel (Salmos 47:7, Zacarias 14:9). As nações dos gentios se ajuntarão e se submeterão a Ele com gozo (Salmo 18:43-44; Zacarias 2:11).
o    Jerusalém será a capital do mundo e o centro religioso da Terra (Isaías 2:2; 62:6-7; Salmo 48; Ez. 5:5; Jeremias 3:17; Salmos 87:1-3).
o    Haverá um governo universal sobre toda a Terra, no qual "justiça" reinará (Salmo 72:1-7, Isaías 9:6-7; 11:4; 16:5; 32:1, 16-18; 61:11).
o    A duração desse reino será para sempre, enquanto houver tempo (2 Sam. 7:12-16; Dan 2:44; 7:14, 44; Salmo 145:13).
o    Israel será estabelecido como a "cabeça" de todas as nações na Terra de acordo com o propósito original de Deus para eles. Eles não estarão mais sob o domínio dos gentios (Deuteronômio 26:18-19; 28:1; Isaías 2:1-5; 60:14; Dan 3:29-30; 7:27; Salmo 18:43 ; Psa. 47:3).
o    Haverá paz mundial. As guerras acabarão (Salmo 46:9; Salmo 72:7; Isaías 2:4; Miq. 4:3; Ose. 2:18; Isa. 60:18; Salmo 147:14).
o    O Senhor fará uma "nova aliança" com Israel sob princípio da graça, onde Ele os abençoará espiritual materialmente (Jeremias 31:31-34).
o    O Espírito Santo será "derramado" sobre Israel e eles farão milagres para ajudar e abençoar o mundo em nome do Senhor (Isaías 44:3, Ezequiel 39:29, Joel 2:28-29).
o    Haverá uma religião mundial – a adoração universal do Senhor Jesus Cristo como Jeová de Israel no contexto do judaísmo, segundo os princípios da graça da "nova aliança". Assim, o Milênio será uma economia onde a Lei e o Sábado serão observados, etc. (Isaías 66:23; Eze. 44:24; 45:17). O Cristianismo e seu modo de aproximação a Deus "em espírito e verdade" (João 4:24; Heb. 10:19-22) não será mais a ordem religiosa daquele dia.
o    A idolatria e toda religião falsa serão abolidas da face da Terra. O Islã, o Hinduísmo, o Budismo, etc., serão tirados para sempre (Isaías 1:28-31; 2:18; Eze. 37:23; Os 14:8; Miq. 5:12-14; Zacarias 13:2-6; 14:9).
o    A própria criação será liberada de sua escravidão e maldição. A Terra cantará (figurativamente falando) e desfrutará o seu Jubileu (Isaías 35:1-2; Salmo 65:13; Zacarias 14:11; Apocalipse 22:3). Compare Romanos 8: 19-22.
o    Os cegos, os surdos, os loucos e os coxos, etc. serão todos curados (Isaías 35:5-6; Salmos 146:8). Não haverá mais doenças e epidemias na Terra - gripe, câncer, etc. Consequentemente, não haverá necessidade de médicos, dentistas, enfermeiros, hospitais, etc. (Isaías 33:24; Salmo 103:3).
o    Homens e mulheres não morrerão de causas naturais, mas viverão tanto quanto a árvore – isso é, por um período de 1.000 anos! (Isa. 65:20, 22)
o    Os instintos selvagens e de caça nos animais serão alterados. "O lobo e o cordeiro" viverão juntos. As crianças brincarão com leões e cobras e não serão feridas (Isaías 11:6-9; 35:9; 65:25; Ez. 34:25).
o    Haverá um novo rio com águas que saram saindo do novo templo que será construído. Ele fluirá para o centro de Jerusalém e se separará em dois braços – um para o Leste, dando no Mar Morto e outro para o Oeste, dando no mar Mediterrâneo. Este rio terá propriedades curativas que irão enriquecer e fertilizar toda a Terra (Eze 47:1-9; Zacarias 14:4, 8; Salmo 65:9-10; Joel 3:18).
o    A agricultura florescerá de uma maneira que não se conheceu desde a queda do homem (Salmo 65:9-13; Salmo 67:6; Salmo 144:13-14; Isaías 27:6; 35:1-2, 7; Joel 2:21-27; 3:18; Amós 9:13-15; Mic. 4:14; Zacarias 3:10). O deserto florescerá como uma rosa (Isaías 35:1-2, 7). Árvores frutíferas produzirão colheitas mensalmente! (Eze. 47:12) As colheitas serão tão grandes que não haverá tempo suficiente para se colherem os frutos dos campos antes que seja hora de semear novamente (Amós 9:13).
o    Resultando de tal abundância, não haverá mais pobreza na Terra (Salmo 132:15, Isaías 41:17; 65:21-23; Salmos 146:7).
o    Todas as nações da Terra serão tributárias de Israel (sob a forma de impostos) e Israel "mamará" da abundância dos gentios e será a nação mais rica da Terra (Isa 60:5-6, 9-11, 16-17; 61:4-5; Salmo 72:10; 10:14-15; Zacarias 14:14). Os gentios terão tanto materialmente que terão prazer em dar uma porção a Israel. Serão felizes em servir Israel – alimentando seus rebanhos, arando seus campos e mantendo suas vinhas (Isaías 14:2; 61:5-6) – enquanto Israel cuidará das coisas do Senhor com Seus Sacerdotes e Ministros, ensinando as nações a viver no reino (Isaías 2:3; 61:6; Miquéias 4:2).
o    A Terra brilhará com a glória do Senhor e o Milênio será um longo dia sem noite (Eze. 43:2; Números 14:21; Hab.2,14; Psa. 72:19). A luz da Sua glória será tão brilhante que a noite não será totalmente escura (Zacarias 14:6-7, Isaías 4:5-6; 30:26; 60:19-20; Rev. 21:23-24).
o    Satanás e seus anjos serão presos no abismo, e os homens na Terra não serão mais perseguidos pelo tentador para fazer o mal (Ap 20:1-3, Isaías 24:21-22).

o    Qualquer crime que vai acontecer pela vontade própria dos homens será tratado na luz da manhã do dia seguinte. Os ofensores serão mortos por um julgamento providencial do Senhor (Salmo 101:7-8, Zacarias 5:1-4). Qualquer um que possa ter vontade de pecar não ousará fazê-lo por medo de julgamento. Assim, o mundo estará virtualmente livre de crime, imoralidade, corrupção espiritual, etc. Como resultado, não haverá necessidade de sistemas de segurança, cofres, fechaduras, etc.

MISERICÓRDIA E MISERICÓRDIAS

MISERICÓRDIA E MISERICÓRDIAS – Misericórdia é "não receber o que merecemos" – isto é, sermos julgados por nossos pecados. Muitas vezes é mencionada em contraste com a graça, que é "receber algo que não merecemos" – isto é, a salvação e as muitas bençãos associadas a ela. Assim, Deus estende a Sua "misericórdia" aos homens em seus pecados (Efésios 2:4) porque Ele não quer que ninguém se perca eternamente (2 Pedro 3:9).
Por outro lado, as "misericórdias" de Deus têm que ver com coisas temporais que Deus concede aos homens providencialmente nas dificuldades da vida na Terra (Gên 32:10; Salmo 40:11; Lam. 3:22; 2 Cor. 1:3; Fil 2:1; Col. 3:12). Isto seriam coisas relacionadas ao Seu cuidado pelas pessoas em meio aos perigos da vida, etc. Assim, em contraste com nossas bênçãos que são celestiais, espirituais e eternas, as misericórdias de Deus são provisões terrenas e temporais que Ele concede aos homens na Terra. Esta distinção entre misericórdia e misericórdias é uma ideia geral na Escritura, mas pode haver exceções.

A seguinte citação da revista The Christian Friend (E. Dennett, editor) é útil a este respeito: "No versículo 3 [de Efésios 1] encontramos o melhor tipo de bênçãos, no melhor lugar, elas estão em Cristo e elas estão todas lá. Temos misericórdias temporais com certeza, mas isso é apenas uma coisa passageira, e não a nossa porção "(The Christian Friend, vol. 9, 1882, pp. 213-214).

MESA E A CEIA DO SENHOR, A

A MESA E A CEIA DO SENHOR, A – A "Mesa do Senhor" (1 Coríntios 10:21) é um termo simbólico que significa o terreno bíblico de comunhão sobre o qual o Senhor reúne os Cristãos em torno de Si. (Não é uma mesa literal sobre a qual os Cristãos colocam os emblemas da Ceia do Senhor no partimento do pão). Uma vez que "mesa", na Escritura, simboliza comunhão, "a Mesa do Senhor" refere-se à comunhão dos Cristãos que o Senhor formou. É uma comunhão onde Ele está no meio daqueles que Ele reuniu para adoração e ministério, e onde Sua autoridade é reconhecida e reverenciada nas ações administrativas que ocorrem naquela comunhão. Na verdade, a mesa do Senhor é a única "comunhão" entre os homens à qual os Cristãos são chamados (1 Cor. 1:9). Todas as outras comunhões que os homens fazem são cismáticas – mesmo que tenham sido formadas com as melhores intenções. (Veja Reunido ao Nome do Senhor).
Um erro comum é confundir "a Mesa do Senhor" (1 Coríntios 10:21) com "a Ceia do Senhor" (1 Cor. 11:20, 23-26). Muitas vezes, esses dois termos são usados ​​de forma aleatória, como se não houvesse diferença entre eles, mas isso não é correto. Como mencionado, a Mesa do Senhor é um termo simbólico, enquanto que a Ceia do Senhor é uma ordenança literal que os Cristãos participam quando se lembram do Senhor em Sua morte no partimento do pão.
Algumas diferenças entre estas duas coisas são: se uma pessoa está reunida ao nome do Senhor, ele está na mesa do Senhor 24 horas por dia, sete dias por semana, mas ele apenas toma a Ceia do Senhor em uma hora específica do dia do Senhor, uma vez por semana. Outra diferença é que, em condições normais, uma pessoa deve vir à Mesa do Senhor uma vez em sua vida (quando entra em comunhão com aqueles reunidos ao nome do Senhor), mas ele deve comparecer na Ceia do Senhor muitas vezes – ou seja, semanalmente. Portanto, seria incorreto dizer que vamos à Mesa do Senhor no Dia do Senhor. Seria melhor dizer que vamos participar da Ceia do Senhor naquele dia. Pessoas bem-intencionadas podem dizer coisas como: "o irmão tal se levantou à Mesa do Senhor para agradecer", mas o comentário seria mais preciso se fosse dito que o irmão se levantou na Ceia do Senhor para agradecer.


Quando alguém é recebido em comunhão, ele é recebido à "a Mesa do Senhor" onde ele tem o privilégio de tomar "a Ceia do Senhor". Se uma pessoa é "tirada" sob um ato administrativo de julgamento pela assembleia (1 Cor 5:13), ele é afastado da Mesa do Senhor, não apenas da Ceia do Senhor. Assim, ele é colocado fora da comunhão dos santos reunidos ao nome do Senhor como um todo, o que inclui o privilégio de partir o pão. Alguns pensam que o comer, mencionado em 1 Coríntios 5:11, refere-se a comer a Ceia do Senhor. Daí, eles concluem que não devemos partir o pão com uma pessoa que tenha sido afastada, mas que podemos comer uma refeição comum com ele e, portanto, ter comunhão com ele individualmente. Isso, no entanto, é um erro; Comer neste versículo tem a ver com qualquer forma de comer – seja no partimento do pão ou em uma refeição comum em nossas casas. A tradução de J. N. Darby esclarece afirmando que não devemos nos "misturar com ele" socialmente (1 Coríntios 5:11).


~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

A Ceia do Senhor é mencionada em 1 Coríntios 10 e 11 de duas maneiras. Algumas diferenças nesses dois capítulos são:
Capítulo 10:15-17 é o ato coletivo de partir o pão - diz: "o cálice de benção que (nós) abençoamos" e "o pão que (nós) partimos", enquanto o capítulo 11:23-26 é o ato individual de partir o pão . Diz: "Fazei (vós) isso ..."
No capítulo 10:15-17, o "pão", visto em sua forma inteira, representa o corpo místico de Cristo, enquanto o "pão", no capítulo 11:23-26, representa o corpo físico do Senhor no qual Ele sofreu e morreu.
Capítulo 10:15-17 coloca primeiro o "cálice de bênção", seguido do "pão", porque está falando a respeito do nosso direito de estar à Mesa como crentes redimidos – que é resultado do derramamento de Seu sangue. No capítulo 11:23-26, a ordem é inversa, colocando o partimento do pão primeiro, depois seguida pelo beber do cálice, que é a ordem em que deve ser tomada a Ceia (Lucas 22: 19-20). Isso ocorre porque tomamos a Ceia em memória dEle em Sua morte, e Ele sofreu em Seu corpo primeiro, depois, depois de morrer, Seu sangue foi derramado.
No capítulo 10:16-17, o partimento do pão está em conexão com "a Mesa do Senhor", onde demonstramos a comunhão do corpo de Cristo (vs. 21). No capítulo 11:26, no partimento do pão ("Ceia do Senhor"), demostramos a morte de Cristo.

O Capítulo 10:15-22 tem que ver com nossa responsabilidade de manter-nos separados de todas as outras mesas (comunhões), sejam mesas cristãs cismáticas, mesas judaicas ou mesas idólatras, enquanto o capítulo 11:23-32 tem a ver com a nossa responsabilidade de manter a pureza pessoal em nossas vidas.

SENHORIO DE CRISTO, O

SENHORIO DE CRISTO, O – Este não é um termo usado na Escritura, mas a verdade que ela transmite é definitivamente encontrada na Palavra de Deus. O Senhorio de Cristo é referido em muitos lugares no Novo Testamento pela frase "no Senhor" (Romanos 16:2, 11-13, 19; 1 Cor. 7:22, 39; 9:1-2; 11:11; 15:58; 2 Coríntios 10:17; Ef 2:21; 4:1, 17; 5:8; 6:1, 10, 21; Fil 2:19, 24, 29; 3:1; 4:1-2, 4, 10; Col. 4:7, etc.). O senhorio tem a ver com o crente reconhecendo a autoridade de Cristo em sua vida de uma maneira prática.
Nas epístolas de Paulo, "no Senhor" é diferente de "em Cristo" – outra expressão que ele costuma usar. "Em Cristo" refere-se à posição do crente perante Deus no lugar de aceitação de Cristo (Efésios 1:6; 1 João 4:17). É uma posição estabelecida eternamente na qual todos os Cristãos estão. (Veja Em Cristo.) "No Senhor", por outro lado, tem a ver com o crente reconhecendo a autoridade do Senhor em sua vida em questões práticas. Por isso, todos os Cristãos são "em Cristo", mas pode ser que nem todos os Cristãos estão vivendo suas vidas "no Senhor" – isto é, como reconhecendo Seu Senhorio e autoridade sobre eles.

Reconhecer o Senhorio de Cristo em nossas vidas significa que não devemos simplesmente sair e fazer qualquer coisa que Ele queria que façamos, mas conhecer, pelos princípios na Palavra de Deus, o que o Senhor gostaria que fizéssemos. Por isso, o Senhorio implica fazer o que Ele quer que façamos em questões de consciência (Romanos 14:5-9), comunhão (Romanos 16:2, 19; Fil 2:29), companheirismo e casamento (1 Cor 7:39), os papéis dos homens e das mulheres na assembleia (1 Coríntios 11:11), caminhando de forma a expressar a verdade de que a Igreja é o corpo de Cristo (Efésios 4:1-4), obediência das crianças (Efésios 6: 1), planos de viagens (Filipenses 2:24), serviço (Romanos 15:58; 16:11-13, Efésios 6:21, Col. 4:7), etc. Viver de maneira prática sob o Senhorio de Cristo é o segredo de uma vida Cristã feliz e frutífera.

terça-feira, 15 de agosto de 2017

ÚLTIMOS DIAS, OS

ÚLTIMOS DIAS, OS – Esta expressão é usada no Novo Testamento para descrever dois tratamentos completamente diferentes de Deus para com os homens. Estudantes da Bíblia que não compreendem os caminhos dispensacionais de Deus com Israel e a Igreja estarão em um dilema quando forem interpretar o significado de "os últimos dias". Por exemplo, as Escrituras indicam que Deus visitou Seu povo terrenal Israel nos "últimos dias" na Pessoa de Seu Filho (Heb 1:2), e nesses "últimos tempos" Cristo morreu e ressuscitou dentre os mortos (1 Pedro 1:20-21). A Escritura também indica que Israel será atacado pelo Rei do Norte (Dan 8:19, 23; 11:40-43) e será restaurado e trazido a um relacionamento com o Senhor nos "últimos dias" (Dan. 12:1-4; Isaías 2:2-4; Miquéias 4:1-2). Algumas dessas coisas aconteceram há 2.000 anos e algumas delas ainda estão por acontecer. A pergunta óbvia é: "Como essas coisas podem acontecer  todas nos últimos dias?"
As pessoas apresentaram todos os tipos de ideias na tentativa de explicar isso. No entanto, quando entendemos que o chamado da Igreja pelo evangelho é uma coisa interposta, algo entre parênteses nos caminhos de Deus com Israel, o problema é resolvido. Retirando o tempo da jornada da Igreja na Terra fora da questão (que tem quase 2.000 anos), vemos que os tratos de Deus com Israel vão direto do tempo da morte e ressurreição do Senhor até a 70ª semana de Daniel (Dan. 9:27), que são os últimos sete anos de sua história antes de Cristo aparecer e restaurar Israel e estabelecer Seu reino milenial. Nesse sentido, a morte de Cristo e os eventos proféticos relativos ao ataque a Israel e a restauração final da nação são realmente todos nos últimos dias de Israel.

Entre a morte de Cristo e a restauração de Israel (o intervalo atual), Deus tem dirigido Sua atenção para chamar a Igreja pelo evangelho de Sua graça (Atos 15:14). A Igreja permanecerá na Terra numa posição de testemunho até que o Senhor venha levá-la para casa no céu no arrebatamento. Ela também tem seus "últimos dias" de testemunho na Terra. Os apóstolos Paulo, Pedro e João, e Judas, o irmão do Senhor, todos falam disso (1 Timóteo 4:1; 2 Timóteo 3:1; 2 Pedro 3:3; 1 João 2:18; Judas 18). Estamos nestes últimos dias agora, mas não estamos no tempo dos últimos dias de Israel. Estas duas relações distintas de Deus que não devem ser confundidas.

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

REINO, O

REINO, O – Este termo tem a ver com a esfera da autoridade do Senhor em conexão com os homens na Terra de várias maneiras. Há pelo menos dez expressões diferentes na Escritura sobre o reino retratando seus diferentes aspectos. Não é que existam dez reinos, mas sim dez aspectos ou carácteres distintivos de um único reino (Precious Things, vol. 3, p.227):

1) O REINO DE DEUS – Este termo, mencionado mais de 70 vezes na Escritura, tem a ver com o estado moral que Deus forma nos súditos do reino. Ou seja, quando este termo é usado, está enfatizando a ordem moral que deve ser encontrada nos caminhos e maneiras daqueles que estão no reino. Em Romanos 14:17, o apóstolo Paulo define este aspecto do reino não como sendo rituais e cerimônias religiosas exteriores ("comida nem bebida"), mas sim como características morais ("justiça, paz e alegria no Espírito Santo") que Deus produz em Seu povo.
Isto é visto na resposta que o Senhor deu aos que estavam esperando o estabelecimento do reino de Deus. As pessoas achavam que ele viria com uma aparência exterior de um poder político e bênção material. No entanto, o Senhor explicou que ele já havia vindo e estava sendo manifestado "entre" eles, como demonstrado em Sua vida, porque Ele exemplificava perfeitamente os traços morais do reino em Seus caminhos e maneiras (Lucas 17:20-21).
Uma pessoa entra no reino de Deus pelo novo nascimento (João 3:5). Receber uma nova vida e natureza de Deus (por meio do novo nascimento) permite que uma pessoa viva de acordo com a ordem moral do reino. Sem ele, uma pessoa não pode exibir corretamente os traços morais do reino de Deus em sua vida, nem pode compreendê-los e apreciá-los quando exibidos em outros (João 3:3). Enquanto uma pessoa precisa entrar no reino de forma verdadeira por um novo nascimento, é possível que alguém exiba de uma forma exterior das características morais do reino de Deus sem ser um verdadeiro crente. Lucas 13:18-21 indica essa hipocrisia. Uma grande mostra exterior de fé desenvolveu-se entre os homens na ausência do Senhor, misturada com muita má doutrina. No Milênio, o reino será marcado pelas características morais que lhe são próprias em seus súditos.

2) O REINO DOS CÉUS – Este é um termo que é encontrado apenas no evangelho de Mateus – ocorrendo 33 vezes. Refere-se ao reino que foi prometido nas Escrituras do Antigo Testamento o qual Messias de Israel estabeleceria na Terra, tendo sua sede de governo nos céus (Gên 49:10; 2 Sam 7:12-13; Dan. 2:44). Não é um reino no céus, como geralmente pensado, mas sim um reino na Terra com a sede do seu governo nos céus (Salmo 103:19). Os profetas de Israel descrevem esse reino como tendo condições utópicas incríveis. (Veja o Milênio.)
As Escrituras indicam que, devido os judeus terem rejeitado o seu Messias, o estabelecimento do "reino dos céus", com suas bênçãos exteriores, seria postergado (Dan 9:26; Miq 5:2-3; Zac. 11:4-14). A história atesta esse fato, pois por quase dois mil anos, desde que os judeus crucificaram seu Messias, virtualmente nada se materializou para eles com relação ao estabelecimento do reino como prometido no Antigo Testamento.
Deus não foi frustrado por essa rejeição de Cristo; Ele ordenou que, nesse meio tempo, o Senhor Jesus estabelecesse "o reino dos céus" de forma em mistério. Isso pode ser visto ao se traçar o esboço do Evangelho de Mateus. Nos capítulos 1-10, o Senhor Se apresentou à nação como seu Messias. Esses capítulos demonstram que Ele tinha todas as credenciais, bem como o poder de introduzir o reino de acordo com a descrição dada pelos profetas do Antigo Testamento. No entanto, as pessoas comuns (cap. 11) e os líderes (capítulo 12:24-45; Marcos 3:22) O rejeitaram. Consequentemente, nos capítulos 12-13, com algumas ações e ensinamentos simbólicos, o Senhor indicou que cortaria Suas relações com a nação (temporariamente) e introduziria o reino com esse caráter místico. Assim, o reino dos céus passaria por uma fase mística (Mateus 13:10-17) antes de ser estabelecido em uma manifestação pública quando da Aparição de Cristo, como prometido pelos profetas de Israel. Essas duas fases podem ser distinguidas como:
o    O reino em mistério (Mat 13:11).
o    O reino em manifestação (1 João 3:2 - J. N. Darby Tradução nota de rodapé).

A parábola em Lucas 19:11-27 indica que o Senhor recebeu o reino quando Ele ascendeu ao céu após a Sua morte e ressurreição. O "nobre" na parábola (Cristo) entrou em "terra remota" (céu) para receber um reino (vs. 12). Assim, a fase em mistério do reino dos céus teve seu início naquele momento. Estando em forma misteriosa neste momento presente, não parece que existe um reino em andamento. Por todas as aparências exteriores, parece que Deus não está fazendo nada neste mundo. Atualmente, está em uma forma misteriosa porque:
o    Não tem um Rei visível.
o    Não tem um centro terreno, geográfico e administrativo.
o    Não possui fronteiras territoriais.
o    A maioria dos seus súditos professos não considera a autoridade do Rei e vive como se não houvesse Rei.
Independentemente dessas peculiaridades, a fé vê o Rei (o Senhor Jesus) no Seu trono hoje em Seu reino. Como bons súditos ao reino, a fé leva o crente a viver de acordo com os princípios do reino, conforme dado no Sermão da Montanha (Mat. 5-7), até o momento em que o reino passe para a fase de manifestação pública.
Uma pessoa entra no reino em sua forma de mistério fazendo uma profissão de conhecer o Senhor Jesus Cristo, mas o modo formal de entrada é por meio do batismo. Assim, "o reino dos céus" é a esfera da profissão Cristã. Inclui aqueles que são crentes verdadeiros e aqueles que meramente professam fé em Cristo.
De Mateus 13 a 25, o Senhor deu dez semelhanças do reino dos céus em sua fase de mistério. Essas semelhanças apresentam uma descrição abrangente do caráter que o reino teria no presente dia em que o Rei está ausente. O ponto dessas parábolas especiais não é conciliar a revelação Cristã da verdade (dada nas epístolas) com o que é apresentado nas semelhanças. Cada semelhança tem um ponto de destaque que o Senhor quer que entendamos, mas elas não necessariamente incorporam todas as doutrinas do Cristianismo em si mesmas. Por exemplo, Deus é visto como o Rei em vez do Senhor Jesus nas 7ª e 9ª semelhanças. Além disso, nas semelhanças 9ª e 10ª, os crentes são vistos como convidados para o casamento e não como a noiva. A noiva em ambas as semelhanças não é o foco do ensinamento do Senhor, e, portanto, não está na figura. Portanto, é importante se concentrar no ponto de destaque que o Senhor enfatiza em cada uma delas, ao invés de tentar conciliar a doutrina Cristã com os detalhes de cada parábola.
       As dez semelhanças podem ser divididas em três grupos: o primeiro grupo (da 1ª à 3ª) nos diz o que Satanás está fazendo no reino. O próximo grupo (4ª à 6ª) nos diz o que o Senhor está fazendo no reino, apesar do trabalho de Satanás. O último grupo (7ª à 10ª) nos diz o que nós deveríamos estar fazendo no reino como bons súditos.

o    Semelhança 1 – Satanás está introduzindo pessoas más ("joio") no reino (Mat. 13:24-30, 37-43).
o    Semelhança 2 – Satanás está introduzindo espíritos malignos ("aves") no reino (Mat. 13:31-32).
o    Semelhança 3 – Satanás está introduzindo más doutrinas ("fermento") no reino (Mat. 13:33).
o    Semelhança 4 – O Senhor está assegurando indivíduos (um "tesouro") para Si mesmo (Mateus 13:44).
o    Semelhança 5 – O Senhor está chamando a Igreja (a "pérola") a um custo elevadíssimo para Si mesmo (Mat. 13:45-46).
o    Semelhança 6 – O Senhor está salvando almas pelo evangelho (a "rede") e colocando-os em assembleias locais ("cestos") (Mateus 13:47-50).
o    Semelhança 7 – Devemos manter um estado de alma correto em relação ao Senhor e ter um espírito perdoador para com nossos irmãos, temendo as relações governamentais de Deus em nossas vidas (Mateus 18:23-35).
o    Semelhança 8 – Devemos servir voluntariamente na vinha do Senhor sem competição, ciúme ou queixa (Mat. 20:1-16).
o    Semelhança 9 – Devemos anunciar o evangelho para o mundo, apesar de o Senhor ter sido rejeitado (Mateus 22:1-14).
o    Semelhança 10 – Devemos estar esperando a iminente volta do Senhor (Mat 25:1-13).

Como mencionado, "o reino dos céus" passará para a sua fase de manifestação no Aparecimento de Cristo (Dan 2:31-45; 7:9-28). O reino neste aspecto será introduzido pelo poder de Deus em julgamento (Isaías 26:9, Atos 17:31). A primeira coisa que o Senhor fará será purificar o reino dos céus da mistura que existe nele há muitos séculos. Aqueles que meramente professam ser crentes e aqueles que abandonaram a fé em Deus (apóstatas) serão retirados em julgamento pelos anjos (Mat. 13:40-43; 24:40-41; Apo. 19:20). Muitos deles professaram sujeição ao Rei, mas não creram no evangelho da graça e da glória de Deus.

3) O REINO DO FILHO DO HOMEM – Quando o reino dos céus passa para sua plena manifestação no Milênio, Cristo reinará publicamente como "o Filho do Homem" (Mat 13:41). Haverá duas esferas no reino – uma celestial e uma terrenal. A esfera terrenal do reino é chamada o reino do Filho do Homem (Mat. 13:41; 16:28; 19:28; 20:21; Lucas 22:30; 23:42; 2 Tim. 4:1; Heb. 1:8; Apocalipse 3:21; 20:4) e será composto do remanescente de Israel e das nações dos gentios (Zacarias 2:11; Apocalipse 2:26-27; 21:24).

4) O REINO DE SEU PAI – Este termo refere-se à esfera celestial do reino no dia do reinado público de Cristo no Milênio (Daniel 7:18, 22, 27 – J.N. Darby Trans.( "os santos dos lugares mais altos"), Mateus 6:10; 13:43; 26:29; 1 Tessalonicenses 2:12; Heb 12:28). Em Mateus 13:43, o Senhor usou a figura do "Sol", que é um corpo celeste esférico, para descrever aqueles da esfera celestial do reino. Os "justos" que "resplandecerão" não são aqueles que serão deixados na Terra depois que os anjos tiverem levado os impuros em julgamento, mas os que foram recolhidos no "celeiro", no céu (Mat 13:30).
Essa esfera celestial do reino será composta de santos do Velho Testamento ressuscitados ("os espíritos dos homens justos aperfeiçoados" – Heb 12:22-23 Trad. J.N.Darby, Mateus 8:11, Lucas 13:28), por aqueles que morreram abaixo da idade de responsabilidade e ressuscitaram (Mateus 18:10), por aqueles que fazem parte do ressuscitado remanescente judeu martirizado (Apocalipse 11:11-12; 14:13; 20:4), e pela Igreja –  "os mortos em Cristo" que serão ressuscitados e os santos vivos que são arrebatados (1 Tessalonicenses 4:15-18, Filipenses 3: 20-21). Estes santos celestiais reinarão com Cristo sobre a Terra no dia Milenial (Heb 12:22-23, Apocalipse 3:21). O tempo em que os santos celestiais reinarão acabará no final do Milênio (Apocalipse 20:4). Apocalipse 22:5 confirma isso, quando afirma: "Eles reinarão até séculos dos séculos" (Trad. J. N. Darby), isto é, reinarão até ao Estado eterno.

5) O REINO DO FILHO DE SEU AMOR – (Col. 1:13). Este termo descreve a única regra de vida que prevalece para aqueles que estão no reino agora, que têm a posição especial de serem "filhos" – isto é, Cristãos (Romanos 8:14-15, Gálatas 4:5, Efésios 1:5). Eles estão tão próximos de Deus quanto o próprio Filho está (Efésios 1:6) e são tão amados pelo Pai como o próprio Filho é (João 17:23).

6) O REINO DO MUNDO DO NOSSO SENHOR E DO SEU CRISTO (Apocalipse 11:15) – Este termo refere-se à autoridade do senhorio de Cristo sendo estabelecida em todo o mundo pelo poder do julgamento na Sua Aparição. Este aspecto do reino correlaciona-se com "o dia do Senhor", quando Ele afirma publicamente o Seu poder e autoridade universal sobre todos os homens (Isaías 2:10-22, Jeremias 46:10, Joel 1:15, Zac 2:2-3, Mal. 4:5; 1 Tessalonicenses 5:2; 2 Tessalonicenses 2:2; 2 Pedro 3:8-10).

7) O REINO DE CRISTO E DE DEUS – (Efésios 5:5). Este aspecto do reino tem a ver com a exibição da glória de Cristo no Milênio. Ele se correlaciona com "o dia de Cristo", que enfatiza a manifestação de Sua glória e a manifestação das recompensas dos santos celestiais (João 8:56; 1 Cor. 1:8; 3:13; 5:5; 2 Coríntios 1:14; Filipenses 1:6, 10; 2:16; 2 Tessalonicenses 1:10).

8) O REINO DE NOSSO PAI DAVI – (Marcos 11:10). Este aspecto do reino vê Israel como o centro das operações de Deus na Terra.

9) O REINO CELESTIAL (2 Timóteo 4:18). Isso tem a ver com o destino dos santos celestiais.

10) O REINO ETERNO DE NOSSO SENHOR E SALVADOR JESUS ​​CRISTO- (2 Pedro 1:11). Este aspecto do reino enfatiza a longevidade do reino. Ele literalmente durará até o fim dos tempos, de forma incomparável. "Eterno" neste versículo não significa "que dura para sempre", mas sim que ele continua até o fim do tempo. Ou seja, o reino existirá enquanto houver tempo passando – o que será até o fim do Milênio. (A palavra "para sempre" é usada da mesma maneira em muitos lugares do Antigo Testamento). Assim, o reinado dos santos com Cristo, no governo do mundo vindouro, continuará "até os séculos dos séculos", que é até o Estado eterno (Apocalipse 22:5 – Trad. J. N. Darby). Quando o Estado Eterno começa, não há necessidade de reinar e controlar poderes adversos que possam surgir, como acontece num reino.
G. Davison disse: "Este título nos assegura que, uma vez que o reino tenha sido estabelecido em poder, nunca mais será sucedido por outro, pois ele durará enquanto durar o tempo. Isso não significa que o reino continuará para sempre no Estado Eterno, mas sim que ele não terá um sucessor. Os reinados são estabelecidos para manter poderes adversos em sujeição, bem como proteger seus súditos. Na verdade, um é o resultado do outro, mas, como não há poderes adversos no Estado Eterno, o reino não será necessário. Isso é claro a partir de 1 Coríntios 15:24-26" (Precious Things, vol. 1, Answers to correspondence – July/Aug).
No final do tempo, o Senhor entregará o reino ao Pai, para Se dedicar a Sua noiva (1 Cor. 15:24-28). Tendo recebido o reino de Deus, Ele o devolverá a Ele com uma glória aumentada. Todos os administradores na história não conseguiram manter a esfera de autoridade em que reinaram; Nem Adão, nem Davi, nem Salomão, nem nenhum monarca gentio. Quando o Senhor receber o reino, "os inimigos" não estarão todos "aniquilados", mas quando Ele o entregar ao Pai no "fim", todos estarão em plena sujeição a Deus. Isso diferencia Cristo de todos os outros como sendo o maior Administrador de todos o tempos.

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Muitos cristãos confundem o reino com a Igreja e, consequentemente, usam frases não bíblicas como "O reino da Igreja". No entanto, o reino não é sinônimo de Igreja pelas seguintes razões:
Em primeiro lugar, o reino em mistério abrange um período de tempo maior do que o tempo da Igreja na Terra. Tem mais duração, tendo início dez dias antes da Igreja, quando o Senhor voltou para o céu (Lucas 19:12; Atos 1:9-11). E também continuará em sua fase de mistério após a Igreja ser levada para o céu, até o final da 70ª semana de Daniel, cerca de sete anos após o Arrebatamento.
Em segundo lugar, o reino é mais amplo do que a Igreja no que se refere aos seus súditos. Como já vimos, o reino no presente momento tem "joio" (meros professos) e "trigo" (verdadeiros crentes), enquanto que a Igreja é composta apenas de verdadeiros crentes. As pessoas podem se juntar a uma assim chamada denominação da igreja e estar no seu livro de membros, mas, se não forem salvas pela fé em Cristo, elas não fazem parte da Igreja de Deus.
Em terceiro lugar, Cristo é o Rei em Seu reino e nós somos Seus servos, mas a Escritura nunca fala dEle como o Rei da Igreja. Pelo contrário, Ele é a Cabeça da Igreja e os crentes são membros de Seu corpo (1 Cor. 12:12-13; Col. 1:18).
Em quarto lugar, Mateus 16:19 nos diz que a Pedro foram dadas "as chaves do reino dos céus", não as chaves da Igreja. Essas chaves são o batismo e o discipulado. Por estas duas coisas, alguém entra no reino exteriormente, mas elas não fazem de alguém parte da Igreja. A entrada na Igreja de Deus é apenas por alguém nascer de Deus e ser selado com o Espírito Santo (João 3:5, Efésios 1:13, 4:4).

Por fim, da comunhão da Igreja devemos tirar o fermento, excomungando a pessoa ou pessoas em quem ele for encontrado (1 Coríntios 5:11-13). No reino dos céus (em mistério), os malfeitores e o fermento não são removidos, mas lhe são permitido continuar "até a ceifa" (Mat 13:28-30).

sábado, 5 de agosto de 2017

JUSTIFICAÇÃO

JUSTIFICAÇÃO - A justificação tem a ver com uma pessoa sendo liberada de todas as acusações de pecado que foram imputadas contra ela, por ser colocada em uma nova posição diante de Deus em Cristo, pela qual ela não é mais vista por Deus como um pecador. A pessoa é "reconhecida" ou "constituída" justa na mente de Deus, e assim sua legitima posição no céu é modificada (Romanos 4:4-5; 5:19). O Concise Bible Dictionary afirma: "A palavra "justificação" pode ​​ser interpretada como a opinião formada na mente de Deus em relação ao crente, em vista da ordem de coisas onde Cristo é a Cabeça. Essa opinião tem sua expressão em Cristo mesmo, e suas consequências são vistas em Romanos 5" (p.446).
Há duas partes da justificação – uma negativa e outra positiva:
O lado negativo tem a ver com o crente ser limpo "de todas as coisas" - isto é, das acusações de pecado (Atos 13:39).
O lado positivo tem a ver com o crente ser colocado em uma nova posição diante de Deus ("justificado em Cristo" – Gál 2:17), onde nenhuma outra acusação pode ser trazida contra ele. ("Em Cristo" é um termo técnico usado no ministério de Paulo para indicar que o crente está na posição de Cristo diante de Deus). Assim, o crente não está apenas em uma nova posição, mas está ali em uma condição totalmente nova, tendo uma nova vida que é sem pecado. Isso é chamado de "justificação de vida" (Romanos 5:18).
W. Kelly disse: "O tão importante tema da justificação foi agora totalmente tratado, tanto do lado do sangue de Cristo derramado em expiação como o de Sua ressurreição, sendo realizado pela morte no poder de Deus; Isto é, tanto negativamente quanto positivamente – suportando todas as consequências de nossos pecados e manifestando o novo estado no qual Ele está diante de Deus" (Notes of the Epistle to the Romans, pág. 56).
J. N. Darby disse: "Há duas partes da justificação – "dos pecados" e "da vida", a primeira, a limpeza de meu antigo estado; E o segundo, colocando-me numa nova posição diante de Deus" (Collected Writings, vol. 21, p. 193). Ele também disse: "Justificação da vida", esta era uma nova posição do homem. Ainda não a glória ou a ressurreição com Cristo e a união com Ele, mas uma nova posição e postura. Não apenas a limpeza dos pecados pelos quais um homem era culpado em conexão com sua posição antiga, mas uma nova posição na vida, a justificação da vida (Collected Writings, vol. 13, p.206).
F. B. Hole disse: "A justificação, como é colocada diante de nós na Escritura, implica mais do que a benção negativa de sermos completa e justamente libertados da condenação [julgamento] sob a qual nós estávamos. Envolve nossa posição perante Deus em Cristo, em uma justiça que é positiva e divina (The Great Salvation, p.14).
O grande resultado de sermos justificados é que Deus já não nos vê como antes (como pecadores), porque agora estamos em uma nova posição diante dEle. Isso é ilustrado em figura em Números 23. Balaão profetizou a respeito do povo de Deus do ponto de vista de Deus ("do cume das penhas"), tipificando assim o que a obra de Cristo na cruz faria dos cristãos por meio da justificação (vs. 9). Desse ponto de vista, Deus não viu Israel como eles realmente estavam – no deserto, no que diz respeito ao seu estado – que era em todos os tipos de pecados. Balaão disse: Deus "não viu iniquidade em Israel, nem contemplou maldade em Jacó" (vs. 21). O profeta não estava querendo dizer que Deus fosse cego; Ele estava falando sob o poder do Espírito sobre o que Israel era posicionalmente diante de Deus, e tipicamente do que somos posicionalmente diante de Deus por meio da obra consumada de Cristo. Assim, nas epístolas de Paulo, a justificação tem a ver com a posição do crente perante Deus, e não o seu estado. É um ato declaratório de Deus pelo qual um pecador ímpio é "imputado" (considerado) como  justo (Romanos 4:5).
Existem oito expressões diferentes em relação à justificação na Escritura, cada uma demonstrando um aspecto diferente. Elas são:
o    Justificado pela graça - a fonte (Rom. 3:24).
o    Justificado pela - os meios de apropriação (Romanos 3:28).
o    Justificado pelo sangue - o preço (Romanos 5: 9).
o    Justificação da vida - uma nova condição (Romanos 5:18).
o    Justificado do pecado - uma dispensa honorável desse mestre (Romanos 6:7).
o    Justificado por Deus - Aquele que faz o reconhecimento (Romanos 8:33).
o    Justificado em Cristo - a nova posição de aceitação (Gálatas 2:17).
o    Justificado pelas obras - a evidência manifestada na vida do crente de ser considerado justo diante de Deus (Tiago 2:21, 24).

Alguns dizem que justificado significa "justo como se nunca tivesse pecado". No entanto, esta definição está muito aquém da verdade da justificação. Se estivesse correta, a justificação colocaria os crentes no terreno da inocência, igual ao de Adão no Jardim do Éden antes de pecar. Adão caiu daquela posição, e isso significa que se nós fôssemos colocados ali, existe uma possibilidade muito real de que iríamos cair também. Então, seríamos pecadores sob julgamento novamente! Porém a justificação nos coloca em um lugar muito mais elevado do que o da inocência. Como mencionado, nossa posição diante de Deus como justificados é no próprio lugar de aceitação e favor em que Cristo está diante de Deus, porque somos "justificados em Cristo" (Gálatas 2:17), e estamos lá com uma vida que não pode pecar ("Justificação da vida" - Romanos 5:17). Não há possibilidade de o crente cair desse lugar.