segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

SANTOS E PECADORES

SANTOS E PECADORES – Um "santo" é "alguém separado" ou "alguém santificado". Todos os que conhecem o Senhor Jesus Cristo como seu Salvador são santificados (posicionalmente) e, portanto, são santos.
Romanos 1:7, em algumas versões, diz: "Chamados para serem santos", mas as palavras "para serem" estão em itálico, indicando que não estão no texto grego e foram adicionados pelos tradutores para ajudar a leitura da passagem. Infelizmente, isso muda o significado e faz da santidade um objetivo a ser alcançado em algum momento no futuro. (Este é um erro católico romano. Eles ensinam que se uma pessoa se mantém fiel a esse sistema, depois que ele deixa este mundo pela morte, ela pode ser promovida para a posição especial de ser um santo). O texto deve simplesmente ser lido "chamados santos". Isso significa que uma pessoa se torna um santo obedecendo à chamada do evangelho. Não é algo que esperamos ser, mas algo que a Palavra de Deus diz que somos pela graça de Deus. Não há uma Escritura sequer que nos diga para tentar alcançar a santidade, mas há Escrituras que nos dizem que todos os crentes são santos, mesmo enquanto ainda vivem neste mundo. No entanto, algumas pessoas pensam que é um sinal de humildade se recusar a se chamar santo agora, mas não é orgulho nem presunção acreditar na Palavra de Deus. Na verdade, um crente que se recusa a se chamar santo está, de fato, negando a verdade das Escrituras.
Um "pecador" na Escritura é uma pessoa que não é salva. No entanto, quando uma pessoa é justificada, ele é libertado de todas as acusações do pecado por ser trazido para uma nova posição diante de Deus, na qual Deus já não o vê na posição de pecador, mas sim como um santo. Portanto, crentes falarem de si mesmos como "pobres pecadores" está abaixo da dignidade de sua posição perante Deus e isso, realmente nega a verdade do que somos como filhos de Deus. Em certo sentido, diminui o valor da obra de Cristo que nos salvou e nos colocou nessa nova posição de favor como "santificados em Cristo Jesus" (1 Cor. 1:2). Não estamos dizendo que os Cristãos não deveriam usar o termo "pecadores" em relação a si mesmos, mas que devemos dizer que já fomos pecadores.
W. Kelly disse: "Algumas pessoas falam de "um pecador crente", ou falam de adoração oferecida a Deus por "pobres pecadores". Muitos hinos, de fato, nunca colocam a alma para além desta condição. Mas o que se entende por "pecador" na Palavra de Deus é uma alma completamente sem paz, uma alma que pode talvez sentir a sua necessidade de Cristo, sendo vivificada pelo Espírito, mas sem o conhecimento da redenção. Não é honesto negar o que os santos são à vista de Deus" (Lectures on the Epistle to the Galatians, p.47).
O Sr. Kelly também disse: "Existe entre muitas pessoas evangélicas um mau hábito de falar sobre "pecadores salvos". Para mim, não é apenas inexato, mas enganoso e perigoso. A Escritura não reconhece algo como um "pecador salvo". Podemos nos alegrar por um "pecador salvo" se conhecemos a misericórdia em nossas almas; mas se nós consentirmos com a frase - um "pecador salvo", o efeito moral disso é que, embora que já salvo, ele ainda é livre para pecar ... É perfeitamente verdade que, quando Deus começa a tratar com uma alma, Ele certamente começa com ele como sendo um pecador; mas Ele nunca termina aí. Não conheço nenhuma parte da Palavra de Deus em que um crente, a não ser talvez em um estado de transição, seja chamado de "pecador".... É evidente que ser um santo e pecador ao mesmo tempo é simplesmente uma clara contradição. Em suma, a Sagrada Escritura não sanciona tal combinação, e quanto mais cedo nos livrarmos de tais frases, que não merecem um nome melhor do que uma hipocrisia religiosa, será melhor para todos" (Lectures Introductory to the New Testament, pág. 213- 214).

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~


Há uma exceção em Tiago 5:19-20, onde ele chama um crente que falha de "pecador", mas não no sentido de sua posição, como Paulo e Pedro usam o termo. Tiago está falando sobre o que caracteriza um crente que persiste em seguir um curso de pecado em sua vida.

JUSTIÇA DE DEUS, A

JUSTIÇA DE DEUS, A – Ela tem a ver em como Deus é capaz de salvar os pecadores sem comprometer o que Ele é em Si mesmo. "A justiça de Deus" diz respeito à ação de Deus em amor para salvar os pecadores, mas, ao mesmo tempo, não comprometendo o que Ele é como Deus santo e justo (Romanos 3:21).
O pecado do homem aparentemente colocou Deus em um dilema. Como "Deus é amor" (1 João 4: 9), Sua própria natureza invoca a benção do homem, pois Ele ama todos os homens (João 3:16). Mas, ao mesmo tempo, "Deus é luz" (1 João 1:5), e assim Sua santa natureza exige que, com justiça,  o homem seja julgado pelos seus pecados (Heb 2:2). Se Deus agisse de acordo com o Seu coração de amor e trouxesse os homens à benção sem tratar com seus pecados, Ele deixaria de ser santo e justo. Por outro lado, se Deus agisse de acordo com a Sua natureza santa e julgasse os homens de acordo com as reivindicações da justiça divina, todos os homens seriam justamente enviados para o inferno, e nenhum seria salvo – e o amor de Deus permaneceria desconhecido. Como Deus então pode salvar os homens e ainda permanecer justo? O evangelho anuncia isso. Ele declara a justiça de Deus e revela a boa notícia de que Ele encontrou um modo de satisfazer Suas santas reivindicações contra o pecado e, assim, conseguir alcançar em amor os pecadores que creem para a salvação. Assim, Deus é apresentado no evangelho como sendo "Justo e Justificador daquele que tem fé em Jesus" (Rom 3:26).
Muitos cristãos têm a ideia de que a justiça de Deus é algo que é transmitido, ou colocado sobre ou dado ao crente. No entanto, a Escritura não a apresenta dessa maneira. Simplificando, a justiça de Deus se refere a um ato de Deus, não algo que Ele transmite aos homens quando creem. Se Deus nos desse Sua justiça quando fossemos salvos, então Ele ficaria sem ela! W. Scott disse: "É a justiça de Deus, não a do homem. Deus não pode imputar aquilo que é essencial a Si mesmo em seus tratos com os homens" (Unscriptural Phraseology, página 10). É verdade que Deus a tem dado (Rom. 5:17), mas isso é no sentido de tê-la garantido ou providenciado para a humanidade, em Cristo, o Homem ressuscitado e glorificado. Assim, Cristo "para nós foi feito por Deus sabedoria, e justiça" (1 Coríntios 1:30), e nós fomos "para que n’Ele fôssemos feitos justiça de Deus" para testemunho ao mundo (2 Coríntios 5:21). Mas a justiça de Deus não é algo que foi enviado do céu e colocado sobre o crente, como alguns pensam.
W. Scott também disse: "Não se trata de colocar uma quantidade de justiça dentro ou sobre um homem" (Doctrinal Summaries, p.15).
J. N. Darby observou: "O reconhecimento do homem como sendo justo é a sua posição diante de Deus, e não a quantidade de justiça transferida a ele" (Collected Writings, vol. 23, p.254).
F. B. Hole disse algo semelhante: "Não devemos ler essas palavras ["a justiça de Deus"] com uma ideia comercial em nossas mentes, como se quisessem dizer que chegamos a Deus trazendo uma porção fé para a qual recebemos em troca o equivalente em justiça, assim como um comerciante troca bens por dinheiro "(Outlines of Truth, p. 5).
Algumas traduções modernas, infelizmente, dizem: "justiça que vem de Deus" (Romanos 1:17; 3:21; 3:22; 10:3; Filipenses 3: 9). Estas são transações incorretas que fazem com que as pessoas pensem que é algo que Deus transmite ou dá aos crentes quando creem no evangelho.

A justiça de Deus mostra o que Deus tem feito ao tomar a questão do pecado e resolvê-la para Sua própria glória e para a benção do homem. Ele enviou Seu Filho para ser aqu’Ele que levaria sobre Si o pecado, e em Sua morte, Deus julgou o pecado de acordo com a Sua santidade. O Senhor Jesus tomou o lugar do crente diante de Deus e levou seus pecados (o julgamento deles) "em Seu corpo os nossos pecados sobre o madeiro" (1 Pedro 2:24). Sua obra "consumada" na cruz (João 19:30) satisfez plenamente as reivindicações da justiça divina e pagou o preço pelos pecados do crente. Assim, Deus não comprometeu o que Ele é como Deus santo e justo em estender a benção ao homem. O amor de Deus veio aos homens com a boa notícia de que Ele pode, sobre uma base justa, redimir, perdoar, justificar e reconciliar o pecador que crê.

domingo, 10 de dezembro de 2017

RESSURREIÇÃO

RESSURREIÇÃO – O homem é um ser tripartido – tendo um espírito, uma alma e um corpo. A morte física tem a ver com o espírito e a alma se separando do corpo (Tiago 2:26). A ressurreição, por outro lado, envolve a reunião da alma e do espírito com o corpo. A Escritura diz: "todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em Cristo" (1 Coríntios 15:22). O "todos" nesta passagem refere-se a todos da raça humana – independentemente de serem salvos ou perdidos. Embora todos os mortos sejam ressuscitados, eles não serão todos ao mesmo tempo. Na verdade, há duas ressurreições: uma que envolve "os justos" e outra envolvendo "os injustos" (João 5:26-30; Atos 24:15; Apocalipse 20:5, 12-13). A Escritura indica que essas duas ressurreições ocorrerão com cerca de mil anos de diferença. Isso é algo que os santos do Antigo Testamento não conheciam; eles só conheciam a ressurreição de uma maneira geral (João 11:24). O evangelho trouxe luz sobre esse assunto e agora sabemos que há duas ressurreições (2 Tim. 1:10).
A primeira ressurreição, que tem a ver com os justos, é mencionada como a ressurreição "de entre os mortos" na tradução de J. N. Darby. Assim, ela é seletiva; Os justos que morreram serão selecionados de entre os mortos injustos e serão ressuscitados. Essa ressurreição foi ensinada pela primeira vez pelo Senhor Jesus Cristo (Mateus 17:9) e depois pelos apóstolos (Romanos 6:4; 1 Coríntios 15:20; Ef. 1:20; Filipenses 3:11, Col 1:18, etc.). A primeira ressurreição tem três fases:

o    "Cristo, as primícias" (1 Cor. 15:23a). Isso aconteceu quando o Senhor ressuscitou de entre os mortos (Mateus 28:1-6). O caráter de Sua ressurreição é uma amostra daquilo que acontecerá também com os justos. Por isso, Ele é "as primícias" dessa ressurreição.
o    "Os que são de Cristo, na Sua vinda" (1 Cor. 15: 23b). Isso se refere aos santos do Antigo e do Novo Testamentos sendo ressuscitados no Arrebatamento (1 Tessalonicenses 4:15-18; Heb. 11:40).
o    Os judeus e gentios fiéis que morrerem durante a 70ª semana de Daniel serão ressuscitados no final da Grande Tribulação, completando assim a primeira ressurreição (Apocalipse 14:13).

Os cristãos geralmente falam da ressurreição e da imortalidade quando os santos receberem corpos "novos", mas isso não é biblicamente correto. As Escrituras não dizem que os santos receberão corpos "novos", mas sim que seus corpos serão "transformados" (Jó 14:14; 1 Coríntios 15:51-52, Filipenses 3:21). Os próprios corpos nos quais os santos viveram serão ressuscitados, mas em uma condição completamente diferente – glorificados (Lucas 14:14; João 5:28-29; 1 Cor. 15:51-55; 1 Tessalonicenses 4:15-16, etc.). 1 Coríntios 15:42-44 afirma isso claramente, ao dizer que o mesmo corpo que é "semeado" na terra, no enterro, ressuscitará novamente. Observe o uso da palavra "o corpo" na passagem, referindo-se à semeadura e à ressurreição. Se os santos recebessem "novos" corpos quando o Senhor viesse, então não haveria necessidade de o Senhor ressuscitar os corpos dos santos nos quais eles já viveram. Se tomarmos essa ideia equivocada e avançarmos para a conclusão lógica, ela realmente negará a ressurreição. Para evitar uma ideia como essa, a Escritura é cuidadosa em nunca dizer que receberemos corpos "novos".
A Escritura registra dez casos de pessoas ressuscitadas dentre os mortos, mas estas não fazem parte da primeira ressurreição (1 Reis 17:21-22; 2 Reis 4:32-37; 13:20-21; Mateus 9:24-25; 27:52-53; Lucas 7:14-15; João 11:43-44; Atos 9:40-41; 14:19-20; 20:9-11). Todos esses morreram novamente. A primeira ressurreição é uma ressurreição para um estado de glorificação; aqueles assim ressuscitados nunca morrerão de novo.
A segunda ressurreição – dos injustos – ocorrerá no final do Milênio (Apocalipse 20:5, 11-15). Os mortos ímpios serão ressuscitados naquele momento e julgados diante do Grande Trono Branco e depois lhes será atribuída uma eternidade perdida no lago de fogo.

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

A Escritura indica pelo menos doze razões pelas quais Deus ressuscitou o Senhor Jesus de entre os mortos:
o    Para cumprir as Escrituras (1 Cor. 15:3-4).
o    Para provar que o Senhor Jesus é o Filho de Deus (Romanos 1:4).
o    Para colocar um selo de aprovação na obra consumada do Senhor na cruz (1 Ped 1:21).
o    Para que o Senhor fosse estabelecido como um objeto da fé para a salvação (Rom 10:9).
o    Para a nossa justificação (Romanos 4:25).
o    Para que o Senhor fosse a Cabeça da raça da nova criação (Col. 1:18).
o    Para que o Senhor pudesse realizar Sua intercessão como Sumo Sacerdote (Rom 8:34, Heb. 7:25).
o    Para que pudéssemos produzir fruto para Deus em nossas vidas (Romanos 7:4).
o    Para que o Senhor fosse o Primogênito dos que dormem (1 Coríntios 15:20).
o    Para fortalecer a fé de Seus discípulos para testemunhar por Ele (Atos 2:32-36).
o    Para demonstrar o poder de Deus para estabelecer o reino de acordo com as promessas do Antigo Testamento (Efésios 1:19-20).
o    Para dar certeza a todos os homens a respeito do julgamento vindouro (Atos 17:31).

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

A ressurreição também é usada em um sentido nacional. Israel terá uma ressurreição nacional dentre os mortos (Isaías 26:19; Ezequiel 37:1-14; Dan 12:2; Ose. 6:2; Romanos 11:15). A nação de Israel se tornou inexistente por cerca de 2.000 anos, mas quando o Senhor vier (Sua Aparição) e restaurará a nação e haverá uma reaparição pública da nação. Na verdade, ela se tornará a principal nação da Terra durante o período do Milênio.

O retorno de cerca de cinco milhões de judeus para sua terra natal desde 1.948 não é essa ressurreição nacional. Mas sim "a figueira" produzindo "folhas", mas sem nenhum fruto para Deus (Mat 24:32). Os judeus na sua terra hoje não receberam Jesus Cristo como seu Messias, e, portanto, há apenas uma profissão exterior de vida espiritual entre eles, da qual falam as folhas da figueira. Não haverá fruto para Deus em Israel até que eles recebam Cristo como seu Messias (Gên 49:22, Ose. 14:8). Quando o fizerem, Ele os restaurará, e então haverá essa ressurreição nacional da qual a Escritura fala.

sábado, 9 de dezembro de 2017

RESTAURAÇÃO DE TODAS AS COISAS, A

RESTAURAÇÃO DE TODAS AS COISAS, A: – Esta expressão é encontrada em Atos 3:21 e se refere a todas as coisas que os profetas de Israel haviam profetizado sobre a benção da nação no seu Messias no mundo vindouro. Isso coincide com a declaração do Senhor sobre a vinda de Elias e restauração de "todas as coisas" (Mateus 17:11).

          A afirmação, "a restauração de todas as coisas", foi usada erroneamente para apoiar a falsa doutrina do universalismo – a salvação final de todas as criaturas de Deus, para que ninguém acabe no inferno. No entanto, Pedro qualificou sua observação sobre a restituição de todas as coisas, acrescentando: "de que Deus falou por boca dos seus santos profetas". Assim, as "todas as coisas" às quais ele se referia eram aquelas coisas que os profetas de Israel tinha profetizado – a saber, a restauração da nação e a suas bênçãos sob o seu Messias.

ARREPENDIMENTO

ARREPENDIMENTO – O arrependimento é ter uma mudança de pensamento a respeito de um curso errado em que estivemos, e ter feito nosso julgamento sobre isso. A nota de rodapé na tradução de J. N. Darby em Mateus 3:8 diz: "O arrependimento indica o julgamento moral da alma sobre todo o passado, sobre tudo o que é da carne diante de Deus. Inclui, mas vai além de apenas uma mudança de pensamento". O Concise Bible Dictionary afirma: "O arrependimento tem sido descrito como uma mudança de pensamento diante de Deus que leva a um julgamento de si mesmo e de seus atos" (pág. 658).
A confissão é um ato, mas o arrependimento é um processo que deve continuar por toda a vida do crente depois que ele é salvo. Lucas 15:7 diz: "Digo-vos que assim haverá alegria no céu por um pecador que se arrepende". Note que não diz, "arrependido", mas "que se arrepende" – isso indica que é algo que deveria continuar na vida de um crente. De fato, se deixássemos de nos arrepender de uma coisa errada ou de um curso errado em que estivemos, não estaríamos mais mantendo nosso julgamento sobre essa coisa ou esse curso e, assim, estaríamos voltando a eles em nosso coração. Isso não significa que devemos voltar e reviver com tristeza os erros que fizemos, mas sim para seguir o caminho com alegria, mantendo um pensamento mudado e uma convicção do julgamento contra essa coisa ou curso particular. Em 2 Coríntios 7:10, temos estabelecido o princípio do arrependimento. O arrependimento de Coríntios era para "nunca se arrepender" – Trad. J.N.Darby. Ou seja, eles não deveriam mudar de ideia sobre seu arrependimento, porque ao fazê-lo, eles estariam voltando para seus erros. Assim, quanto mais velhos nos tornamos e quanto mais tempo estivermos na senda Cristã, mais profundo nosso ódio deve ser contra pecados que antes cometemos – mas não devemos nos ocupar com essas coisas; a ocupação normal do crente é Cristo e Seus interesses.
O arrependimento é produzido nos homens pela "bondade de Deus" tocando seus corações (Romanos 2:4 – Trad. Brasileira). Quando o filho pródigo pensou na bondade de seu pai, ela o levou a mudar de ideia sobre seu pai e a julgar a si mesmo (Lucas 15:17-19). Infelizmente, arrependimento é uma palavra que perdeu seu significado bíblico nas mentes de muitos hoje. Parte da confusão resultou do mau ensinamento que tem existido na profissão Cristã há anos. Alguns exemplos são:

o    Arrependimento não é autopunição. Autopunição é o esforço do homem para expiar seus erros.
o    Arrependimento não é confissão. Alguns erroneamente pensam que, se pedirem desculpas por algum mal feito, então estão se arrependendo. No entanto, é possível fazer uma confissão e não estar verdadeiramente arrependido.
o    Arrependimento não é reforma. Reforma tem mais a ver com uma mudança exterior, o "virar uma nova página" na tentativa de substituir maus hábitos com bons. Embora que essas coisas surjam do arrependimento, não são arrependimento. Deus não está nos pedindo para fazer promessas solenes para as quais não temos o poder de manter.
o    O arrependimento não é penitência. A penitência é tristeza pelo pecado. Isso pode resultar em arrependimento, mas a própria tristeza não é arrependimento.

O arrependimento deve ser visto no pecador que vem a Cristo para a salvação e também no crente que falhou e que é restaurado ao Senhor (Atos 20:21; Apocalipse 2:5, etc.). A versão JFA Corrigida diz que Judas "se arrependeu", mas deveria dizer que ele estava "tocado com remorso" Trad. J.N.Darby. Ele não estava arrependido. O verdadeiro arrependimento tem seus frutos. Estes são sinais reveladores de que uma pessoa manifestará. João Batista afirmou isso aos fariseus não arrependidos que vieram até ele. Ele disse: "Produzi pois frutos dignos de arrependimento" (Mateus 3:8). Noemi ilustra as marcas do verdadeiro arrependimento.

o    Ela fez um claro rompimento com a vida anterior em Moabe. A bondade de Deus tinha trabalhado em seu coração quando ela ouviu que Ele havia dado pão ao Seu povo. O resultado foi que "saiu do lugar onde estivera" (Rute 1:6-7).
o    Ela voltou ao ponto de sua partida (Rute 1:19). Ela foi para "Belém", o próprio lugar de onde ela e seu marido tinham vindo quando moravam na terra de Israel. Isso ilustra a necessidade de voltar à raiz do nosso fracasso e julgá-lo.
o    Ela manifestou um genuíno espírito quebrantado e humildade. Ela disse: "Não me chameis Noemi; chamai-me Mara" Mara significa "amarga". Assim, ela indicou uma amargura de alma em relação a seu curso (Rute 1:20; Salmo 51:17).
o    Ela justificou a Deus em tudo o que Ele permitiu que acontecesse com ela (Rute 1:20).
o    Ela fez uma franca confissão de seu erro. Ela disse: "Eu saí ..." (Rute 1:21 – Trad. Brasileira). Ela não culpou seu marido ou qualquer outra pessoa.
o    Ela deu todo o crédito ao Senhor por sua restauração. Ela disse: "O Senhor me fez tornar" (Rute 1:21; Salmos 23: 3).
o    Ela queria estar entre o povo do Senhor (Rute 1:22).

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

As Escrituras indicam que o próprio Deus Se arrepende, mas não, é claro, da mesma maneira em que os homens que falham fazem. Como o arrependimento significa ter um pensamento mudado, Deus pode e muda Sua mente de vez em quando. Mas com Deus, o arrependimento nunca tem a ver com o julgamento de Si mesmo, porque Ele nunca faz nada errado.

Quando se trata dos propósitos de Deus, Ele nunca Se arrepende (Números 23:19; 1 Sam. 15:29). Mas quanto aos Seus caminhos para com os homens, Ele Se arrepende (Gênesis 6:6-7; 1 Sam. 15:11). Muitas vezes, o arrependimento de Deus está relacionado com a possibilidade de arrependimento do homem. Quando Deus vê verdadeiro arrependimento com os homens sobre quem Ele pronunciou um juízo, Ele pode arrepender-Se e não executar o julgamento (Ex 32:14; Jz 2:18; 1 Cron. 21:15; Salmo 90:13; 106:44-45; Jeremias 18: 8; Joel 2:13; Jonas 3:9-10). Tal é a misericórdia de Deus.

REMANESCENTE, O

REMANESCENTE, O – Este termo significa "uma pequena porção do povo" ou "o resto do povo". Ele é usado de algumas maneiras diferentes na Escritura. Pode ser em conexão com a história de Israel (2 Reis 19:4, 30-31, Isaías 1:9, Ezra 9:8, Neh 1:3), ou em conexão com os judeus (Apocalipse 12:17) e as dez tribos de Israel no dia vindouro (Isaías 10:20-22; 11:11, 16). Ou, pode ser usado em referência aos crentes no testemunho Cristão hoje (Apocalipse 2:24 - "o restante [remanescente]" tradução W. Kelly).
Quanto a Israel no dia vindouro, Deus prometeu que Ele não abandonará a nação para sempre. A cegueira governamental que está sobre seus corações será retirada, e a benção de Deus será derramada sobre eles quando o Senhor aparecer "trazendo curas nas Suas asas" (Mal. 4:2 – Tradução Brasileira, Romanos 11:25; 2 Coríntios 3:14-16). Mas a Escritura não ensina que isso se aplica a todos os israelitas de nascimento. Como mencionado anteriormente, a redenção de Israel será realizada apenas em um remanescente do povo. Romanos 11:26 afirma que "todo o Israel será salvo" e abençoado de Deus, mas antes, no capítulo 9:6-8, Paulo explica que "nem todos são Israel, os que são de Israel" – Tradução J.N.Darby. Assim, para ser um verdadeiro israelita, precisa ser não apenas da linhagem de Abraão, mas também ter a fé de Abraão. Muitos dos descendentes de Abraão são "semente" de Abraão, mas eles não são "filhos" de Abraão e, portanto, não são "filhos de Deus". (Compare Romanos 2:28-29.) Assim, quando Paulo disse que "todo" Israel seria salvo, ele estava assumindo que o leitor acompanharia a lógica de seu discurso na epístola sobre esse ponto. O "todo" em Romanos 11:26, portanto, são todos os verdadeiros israelitas – interior e exteriormente. Isso mostra a importância do contexto na leitura da Escritura.
As Escrituras proféticas indicam que haverá duas partes para o remanescente, ou talvez dois remanescentes: um de judeus (as duas tribos) e outro das dez tribos de Israel. Esses serão reunidos em um quando o Senhor aparecer e restaurar a nação, quando herdarão o reino juntos (Isaías 11:12-13, Eze. 37:15-19, etc.). Para ter uma compreensão das relações de Deus com Israel, o estudante da profecia precisa distinguir essas duas partes da nação. As três principais diferenças são:

o    Os judeus (as duas tribos) retornarão à sua pátria no início da 70ª semana de Daniel (Dan 9:27) antes da Grande Tribulação (Isa 18:1-4), e um remanescente se distinguirá entre eles por ter fé e temor de Deus (Isaías 8:16; 66:2; Salmos 1:1-3). As dez tribos não voltarão para sua terra até depois que a Grande Tribulação acabar e o Rei do Norte tiver devastado a terra (Mateus 24:29-31). Enquanto que a massa das dez tribos volta à sua pátria, apenas um remanescente dela terá fé verdadeira, sendo-lhe permitido entrar na terra (Ezequiel 11:9-11; 20:34-38; Amós 9:9-10).
o    Os judeus rejeitaram a Cristo (João 19:15) e receberão o Anticristo (João 5:43), mas as dez tribos não são culpadas disso, pois não estavam na terra quando Cristo veio aos Seus e os Seus não O receberam (João 1:11). Nem estarão na terra quando o Anticristo surgir e for recebido pelos judeus.
o    O remanescente dos judeus confessará o "crime de sangue" pela crucificação de Cristo e também assumirá a quebra da Lei (Salmo 51:14; Atos 7:53), mas o remanescente das dez tribos confessará seu fracasso por abandonar a Lei e voltar-se para a idolatria (Isaías 26:13, Osé 14:8).

Alguns sábios serão levantados entre o remanescente judeu temente a Deus, que será instruído nos caminhos de Deus e nos Seus tratos com a nação. Eles são chamados como os "Masquil" (Dan 12:3, compare também Dan. 11:33). (NT: Masquil é uma palavra hebraica que ocorre nos títulos de vários Salmos (32, 42, 44, 45, 52-55, 74, 78, 88, 89 e 142) e significa "instrução". Esses salmos contêm instruções ao remanescente, as quais ele entenderá. A mesma palavra no plural "Masquilim" significa "os sábios" ou "os instruídos" de Dan 11:33, 35; Dan 12:3, 10 – Morrish Bible Dictionary). Esses sábios atuarão como instrutores para os outros – "os que converterem a muitos para a justiça" Trad. Brasileira. Sua compreensão provavelmente será tal que eles verão o Senhor Jesus Cristo, a Quem a nação crucificou, como o verdadeiro Messias de Israel, e encorajará a outros a recebê-Lo como Tal. O remanescente dos judeus finalmente fará isso quando aparecer Cristo e olhará para aqu’Ele "a Quem traspassaram" (Zac 12:10, João 19:37). Naquele tempo, eles se lamentarão em arrependimento (Zacarias 12:11-14), e o Senhor abrirá uma "fonte" para a sua purificação, por isso eles serão restaurados a Ele (Zacarias 13:1).
Há duas partes do fiel remanescente judeu: a porção preservada que será milagrosamente poupada dos ataques de seus perseguidores e de outros perigos, e entrará no reino de Cristo na Terra – o Milênio (Apocalipse 12:6; 13-17; 14:1; Salmo 91). E haverá também a porção martirizada do remanescente que Deus permitirá que seja morta por seu testemunho fiel durante os sete anos de tribulação (Apocalipse 6:9-11; 11:2-12; 14:23a; 15:2-4; Isa. 57:1-2). Estes judeus piedosos serão ressuscitados no final da Grande Tribulação e terão uma melhor porção no céu – serão glorificados (Apocalipse 14:13). Eles reinarão com Cristo sobre a Terra com os santos do Antigo Testamento e a Igreja, no Milênio (Apocalipse 20:4, Dan. 7:18, 22, 27).
Uma vez que existem estas diferenças de responsabilidade entre os judeus e as dez tribos, o Senhor tratará com eles de forma diferente em vista de sua restauração. O resultado será o mesmo em ambos – verdadeiro arrependimento e uma restauração completa ao Senhor, após a qual, as bênçãos do Seu Reino serão derramadas sobre eles. Eles constituirão a nação de Israel no Milênio.
A massa incrédula dos judeus que não são verdadeiros filhos de Abraão será destruída pelo Rei do Norte e sua confederação Árabe (Salmo 83:1-8; Salmo 79:1-3; Dan. 2:40-42 ; Zacarias 13:8-9). A massa das dez tribos dos israelitas que não são verdadeiros filhos de Abraão retornará à terra com a ajuda dos anjos de Deus (Mateus 24:31) e com a ajuda de algumas nações gentias que temerão a Deus (Isa. 14:1-2; 49:22; 60:9; 66:19-20). Eles serão levados para os "confins" da terra de Israel, onde o Senhor os "peneira", fazendo-os "passar debaixo da vara", e assim serão "separados" aqueles que não têm fé real (Eze 11:9-12; 20:34-38). Um "décimo" deles (um remanescente) será achado verdadeiro e será trazido para "o vínculo do concerto" (Isaías 6:13, Ezequiel 20:37, Jeremias 31:31-34). Eles subirão para a terra e juntar-se-ão ao remanescente das duas tribos (judeus) e serão "um" e "não serão mais duas nações, nem serão divididas em dois reinos" (Eze. 37:14-22, Isaías 11:13; 49:18-23). Este será um momento triunfante porque estiveram separados por quase 3.000 anos! A massa dos israelitas que serão separados dentre as dez tribos será destruída pelo próprio Senhor, quando Ele rugir de Sião para destruir a última confederação sob Gogue no julgamento do lagar (Apocalipse 14:17-20; Isa. 63:1-6; Joel 3:13-16). Duas ações são mencionadas em Apocalipse 14:19 em conexão com o julgamento de Israel. A "vinha da terra" (Israel) é primeiro "vindimada [reunida]" (de volta à terra), e então os apóstatas entre eles são "lançados" no lagar do julgamento de Deus.

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~


Como mencionado, a palavra "remanescente" também é usada em conexão com o testemunho Cristão (Apocalipse 2:24 – trad. W. Kelly). Refere-se àqueles que são verdadeiros crentes em meio à massa de Cristãos meramente professos. Hoje existem milhões na profissão Cristã, mas a grande maioria destes são apenas Cristãos nominais (somente em nome).

REGENERAÇÃO

REGENERAÇÃO - Esta palavra significa um novo começo na vida do crente – uma mudança moral exterior, resultante de ser salvo e selado com o Espírito Santo. Essa mudança é algo que as pessoas deveriam ver na vida de cada crente. W. Scott disse: "A lavagem da regeneração pode ser percebida pelos olhos dos homens, pois é uma mudança exterior" (Doctrinal Summaries, p.28).
A "lavagem da regeneração" (Tito 3:5) refere-se à limpeza moral da vida de um crente, resultante da separação de seu antigo estilo de vida que tinha antes da sua conversão, que era de acordo com a carne. Tem a ver com a passagem de uma pessoa da antiga forma de vida em que ele vivia para uma nova ordem de vida que é de acordo com o Cristianismo. Daí vem o comentário muitas vezes ouvido: "Ele limpou a sua vida e agora está num caminho reto e estreito!" Se essa mudança é um verdadeiro trabalho de Deus na vida de uma pessoa, é resultado da lavagem da regeneração. A "lavagem" envolvida na regeneração está ligada àquilo que as águas do batismo significam para o batizado. A pessoa é assim colocada em um novo lugar, limpo na Terra, na casa de Deus, onde ele deve andar em santidade como Cristão (Salmos 93:5; Heb 12:14; 1 Tessalonicenses 4:7; 1 Pedro 1:16). Paulo enfatizou a Tito a necessidade de regeneração entre os crentes na ilha de Creta, porque havia uma clara falta de justiça prática em suas vidas (Tito 1:12).
Não obstante, os Cristãos de todas as escolas de pensamento geralmente não entendem o significado da regeneração. Eles pensam que, uma vez que a palavra "regenerar" significa reiniciar algo, está se referindo ao ser nascido de novo e, portanto, usa esses termos indistintamente. Embora o novo nascimento e a regeneração se referiram a um novo começo, são dois começos diferentes na vida de uma pessoa.

o    O novo nascimento (que ocorre antes na vida de uma pessoa) é um novo começo interior na alma, por receber uma nova vida de Deus. Uma evidência disso será sua visível busca por Deus.
o    A regeneração é um novo começo exterior da vida de um crente, consequência de ser salvo e selado com o Espírito Santo. A evidência disso será sua visível ruptura de suas associações e hábitos profanos que tinha e a adoção do estilo de vida Cristão.

O Sr. Darby disse: "A regeneração não é a mesma palavra que "nascer de novo", nem é usada dessa forma nas Escrituras" (Nota de rodapé na tradução de J.N.Darby em Tito 3:5). W. Scott disse: "O novo nascimento não é o mesmo que a regeneração, e este último termo só ocorre duas vezes no Novo Testamento (Tito 3:5, Mateus 18:28). O termo anterior refere-se a uma obra interior; o último a uma mudança exterior" (The Young Christian, vol. 2, p. 131). Ele também disse: "A regeneração é quase universalmente considerada equivalente ao novo nascimento, mas não é assim na Escritura. A regeneração é um estado ou condição objetiva, enquanto o novo nascimento é a expressão de um estado interior e subjetivo" (Bible Handbook, Old Testament, pág. 372).
Novo nascimento e regeneração envolvem um banho, o qual significa lavagem ou limpeza. O "banho" envolvido no novo nascimento significa uma lavagem interior na alma pela recepção de uma nova vida limpa de Deus (João 13:10 – tradução de W.Kelly, 1 Coríntios 6:11), enquanto o "banho" na regeneração significa uma lavagem exterior da vida da pessoa em um sentido prático (Tito 3:5 - nota de rodapé da tradução de J.N.Darby). O primeiro é efetuado pela "vivificação" do Espírito Santo (João 6:63); O último é efetuado pela "renovação" do Espírito Santo (Tito 3:5). O efeito prático da regeneração é ilustrado em um novo crente no seu batismo. Ele deixa seus pertences (seus cigarros, seu frasco de bebidas alcoólicas, revistas mundanas, etc.) na borda e entra na água. Depois de ser batizado e sair da água, ele segue o caminho com os outros Cristãos que participaram do batismo. Mas alguém fala para ele: "João, você esqueceu suas coisas". Ele responde: "Deixe-as lá, elas pertencem ao velho João". Este deve ser o efeito prático da lavagem mencionada na regeneração; há uma separação (e, portanto, uma limpeza) do estilo de vida antigo. Significa um novo começo na vida de um crente que deve ser observável por todos.
Para complicar ainda mais os mal-entendidos que surgem de assumir que a regeneração é o mesmo que o novo nascimento, muitos Cristãos têm a ideia de que a regeneração é uma obra milagrosa de Deus na renovação ou recriação da natureza de uma pessoa quando ele acredita no evangelho. Eles pensam que é uma infusão de uma nova vida na natureza antiga de uma pessoa, tornando-a nova. Com base nessa ideia equivocada, a maioria dos teólogos reformados, e muitos pregadores evangélicos também, ensinam que os Cristãos não têm duas naturezas, mas sim uma natureza que foi regenerada! Isso faz com que o novo nascimento e a regeneração sejam nada mais do que uma reabilitação da carne. A verdade é que a velha natureza não é capaz de ser melhorada e, portanto, não pode ser reabilitada. A Escritura diz: "não é sujeita à lei de Deus, nem, em verdade, o pode ser" (Rom 8:7). A carne simplesmente não pode ser sujeita a Deus. O Senhor ensinou isso a Nicodemos. Ele disse: "o que é nascido da carne é carne" (João 3:6). Ou seja, os homens podem aplicar muitas coisas à carne num esforço para melhorá-la – a influência da cultura, educação, religião, etc. – mas o resultado final é que nada muda moralmente. A carne ainda é carne. E é por isso que o Senhor lhe disse: "Necessário vos é nascer de novo". Ou seja, os homens precisam de uma vida inteiramente nova e de uma natureza separada e distinta da velha natureza que lhes foi transmitida (João 3:7).

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~


Mateus 19:28 também fala de "regeneração", mas de uma maneira ligeiramente diferente. Refere-se à nova e exterior ordem moral da vida que permeará o mundo vindouro – o Milênio (Salmo 72:8, Zacarias 14:9). Os homens naquele dia serão forçados a viver de acordo com princípios justos por medo da morte (Isaías 32:1; Salmo 101:7-8, Zacarias 5:1-4).